Arquivo da categoria: liber(dade)

saramago, una lectura babélica

(…) imponente, majestosa, a torre lá estava, na beirinha do horizonte, ainda que inacabada parecia capaz de desafiar os séculos e os milénios, mas, de repente, estava e deixou de estar. cumpria-se o que o senhor havia anunciado, que enviaria um grande vento que não deixaria pedra sobre pedra nem tijolo sobre tijolo. a distância não permitia a caim perceber a violência do furacão soprado pela boca do senhor nem o estrondo dos muros desabando uns após outros, os pilares, as arcadas, as abóbadas, os contrafortes, por isso a torre parecia desmoronar-se em silêncio, como um castelo de cartas, até que tudo acabou numa enorme nuvem de poeira que subia para o céu e não deixava ver o sol. muitos anos depois se dirá que caiu ali um meteorito, um corpo celeste, dos muitos que vagueiam pelo espaço, mas não é verdade, foi a torre de babel, que o orgulho do senhor não consentiu que terminássemos. a história dos homens é a história dos seus desentendimentos com deus, nem ele nos entende a nós, nem nós o entendemos a ele.

Resultado de imagem para caim saramago

caim, j. saramago. cia das letras, 2009.

o livro último de saramago antes de partir para a eternidade, ou seja lá que nome ele daria a esse acontecimento, é preguiçoso ao início. uma lectura a tédios. mas a viagem de caim, através do tempo dos tempos, seduziu o curvilíngua, enlevou-o tal e qual a serpente-astuta o fez com a mama de todas as outras: a eva-adormecida. andando e caindo pelas páginas de josé, o mago nobelístico em língua de camões, eis o curvilíngua a vaguear e ziguezaguear com um caim absorto, contumaz, ferino. aprende-se a pensar com ele, o caim, sobre os meandros da vaidade, do orgulho, da soberba, das onipotências. o curvilíngua está a duvidar se tomou caim pelas mãos ou se aquele o captou pela astúcia de seu elucubrante discurso às avessas do sistema corrente, coerente? a única certeza a que o curvilíngua se apega é quando se pega a pensar e a prensar que saramago é um caim, nem melhor nem pior, mas que ilumina um tanto da caminhada. ou escurece?

José Saramago

* fonte da imagem: pinterest