Arquivo da categoria: signum

¿el arcoíris tiene siete colores?

se pra você o arco-íris ainda tem sete cores
é melhor você trocar de olhares
ou então mudar de amores

de variados tipos, de variadas belezas. portas com os rostos de varias arquiteturas. ~^:

* fonte da imagem: pinterest

** o poema foi tecido a partir da leitura seguinte: (…) recuerde, el concepto de color no es solo físico, sino también  psicológico y fisiológico, por lo que, según la oscuridad y la saturación de un color y las mezclas entre ellos, percibimos una extensa variedad. los monocromáticos, mezclados entre ellos y con diferentes cantidades de blanco o de negro, dan para cada tono infinitas sensaciones de nuevos colores (el país).

melhor morrer de vodca que de tédio

um brado maiakóvski poeta expresso moderno século vinte rude russo terno. mas eu não bebo vodca, camarada vladímir, vou morrer de quê? de chorar? de rir? de que morrerei, se abomino o tédio? não bebo coca-cola nem guaraná eu vejo. vou viver pra crer, se me arruína o médio? viver assim, luzidio gorduroso nédio, lis sem limite especial cartões de crédito? à saída, sim, beberei cicuta, tal filósofo, à moda grega, filósofo filho-da-puta. assim se cura, assim se apura, amigo impetuoso, o entardecer, esse apurar lenhoso. ainda me escutas? que nada, sorverei veneno, vermelho vinho, não sereno: mescla ruim de groselha-leite-sachê-e-um-saquê-de-eno. não e não há sim. tomarei poemas, à noite embriagar-me-ei de estrofes solilóquios rimas cordas primas temas. certezas, mesmo, eu as tenho, comerei  o tédio esse é meu remédio esse é meu sufoco antigo grito rouco outrora refrigério. mas amanhã, antologia imensa, eu lamberei poemas, engolirei emblemas, signos cínicos de todos os problemas. assim, por um fim, ensaio de cena

burnt:

* dramatização sob tutela do mote titular extraído do poema a sierguéi iessiênin, de vladímir maiakóvski, 1893-1930, em tradução do russo ao português por haroldo de campos.

** fonte da imagem: pinterest